PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sexta-Feira, 26 de Julho de 2019, 10h:24
Tamanho do texto A - A+
CIDADES
TECNOLOGIA PROCESSUAL Twitter

Varas do Fórum de Cuiabá operam com 100% de processos eletrônicos

Por: Assessoria

TJ

 

Duas varas do Fórum da Capital já estão trabalhando com processos 100% eletrônicos: a 1ª Vara Especializada de Família e Sucessões e a 2ª Vara Especializada em Direito Bancário. Isso significa que não há mais processos, documentos ou arquivos impressos em papel em ambas as unidades judiciárias - tanto em relação aos processos em tramitação quanto àqueles que estão por vir.

 

Para reconhecer o feito inédito no Poder Judiciário de Mato Grosso, os desembargadores Carlos Alberto Alves da Rocha e Luiz Ferreira da Silva - presidente do Tribunal de Justiça e corregedor-geral da Justiça, respectivamente, foram até as varas e parabenizaram as juízas e os servidores pelo trabalho empenhado.

 

“Isso não é para a juíza ou para um único funcionário, é para todos que trabalham aqui e colaboraram com esse feito. Se não fossem vocês, isso não seria possível”, disse o presidente Carlos Alberto, ao entregar um aparato com o símbolo do PJe para ser fixado nas duas varas.

 

No intuito de atingir o objetivo de extinção completa dos processos físicos, os servidores se empenharam em uma força-tarefa de digitalização proposta no início deste mês. Na 2ª Vara de Direito Bancário, foram digitalizados 562 processos em apenas cinco dias. Na Vara de Família, foram inseridos no PJe os 317 processos restantes do acervo em papel.

 

“Só tenho a agradecer, porque acho que é algo que o Tribunal está indo à frente de todo mundo. Essa é uma tecnologia que melhora para todos”, pontuou a juíza Rita Soraya Tolentino de Barros, titular da 2ª Vara de Direito Bancário.

 

A juíza titular da 1ª Vara de Família e Sucessões, Ângela Gimenez, destaca a relevância social da unidade judiciária, que lida com questões muito delicadas envolvendo crianças, separações, órfãos, viúvos e outros casos de pessoas que se encontram em momentos de angústia e sofrimento. Para ela, a adesão completa à plataforma tecnológica só traz benefícios para as partes e para a própria justiça.

 

“Nós estamos aqui não apenas de braços abertos e portas abertas para fazer o melhor serviço, mas para acolher as pessoas que aqui chegam, dar uma boa palavra, para poder incentivar a esperança, a alegria e aumentar o calor no coração. Priorizando a Vara de Família, o Tribunal nos encoraja muito porque nós percebemos que para o nosso Tribunal está acima de qualquer coisa a essência humana, a vida humana, a felicidade, os projetos e os sonhos das pessoas que batem à nossa porta em busca de uma justiça rápida. Nós ficamos muito felizes em poder utilizar a tecnologia em favor de uma causa que é tão significativa”, frisou a magistrada.

 

Na 1ª Vara de Família, tramitam, atualmente, cerca de 1.800 processos, todos na plataforma do Processo Judicial Eletrônico (PJe). Na 2ª Vara Bancária, estão em andamento 1.252 processos nos sistemas PJe e Apolo Virtual.

 

Diante dessa demanda, o corregedor-geral destaca os benefícios em lidar com processos digitais. “Ao digitalizar uma vara como foi feito nesses dois casos, temos um ganho em termos de rapidez acima da média. A pessoa não precisa se deslocar até o fórum, o advogado não precisa se deslocar também, não haverá gasto de papel, combustível, favorecendo também o meio ambiente”, asseverou o desembargador, durante a visita na última quarta-feira (24 de julho).

 

Twitter

PUBLICIDADE



Veja mais sobre este assunto:

Edição 208 Dezembro de 2019

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados