PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Quarta-Feira, 24 de Abril de 2019, 16h:38
Tamanho do texto A - A+
EDUARDO PÓVOAS
Twitter

As barcas “pêndulo” e “gasolina”

Nas primeiras décadas do século, muitas coisas davam notas pitorescas à Cuiabá.

Reprodução

Eduardo Povoas

 

Reprodução

Eduardo Povoas

 

Uma delas era a barca “Pêndulo” que fazia a travessia do rio Cuiabá, ligando o primeiro (a cidade propriamente dita) e o segundo distrito (o bairro do porto) ao terceiro distrito, que era Várzea Grande.

 

Ali se fazia travessia de automóveis, e até mesmo carroças que se destinavam a Livramento, Poconé e até Cáceres.

 

A barca como simplesmente a chamavam, funcionava entre o Mercado do segundo distrito (Mercado do Peixe ainda existente) e uma rampa que existia especialmente construída para ela, ao lado do Clube Náutico. Era montada sobre dois flutuantes e segura a um grosso cabo de aço que ia de um lado ao outro do rio. Tinha uma cobertura e banco para passageiros na parte traseira e na dianteira descoberta reservada a veículos e cargas.

 

A grande demora era para carregar e descarregar a barca, pois a travessia se fazia em cinco ou dez minutos com o rio cheio e mais correntoso.

 

Seu proprietário era o Coronel Benedicto Leite de Figueiredo, mas conhecido como Coronel Didito, simpático e chefe de uma família de projeção social e política em Cuiabá.

 

Seus empregados que manobravam a barca recebiam ordens de José Felix preto sério e bom como poucos. O Cel. Didito e José Felix divertiam com seus vastíssimos repertórios os passageiros.

 

Na margem direita do rio, em frente ao Clube Náutico tinha um banco da areia que vez ou outra, a barca encalhava e necessário se fazia os tripulantes se jogarem no rio e com pás remover a areia que prendia a barca.

 

Na cheia era o inverso. Às vezes o cabo não aguentava a barca e se rompia, descendo rio abaixo com gente, carros e carroças. 

 

Quem da beira do rio sobe a Avenida 15 de novembro logo após as costas do Atacadão, encontra a direita uma rua que dava entrada ao antigo bairro Ana Poupino, e logo após tinha uma ponte de madeira que se chamava Ponte do Matadouro, que dava acesso ao primeiro matadouro municipal, que existiu em Cuiabá. Anos mais tarde foi fechado e demolido, construindo-se outro na margem direita do rio próximo hoje da Sadia.

 

Desse novo matadouro saia as cinco da tarde uma barquinha de madeira rebocada por uma pequena lancha (Gasolina como a chamavam), trazendo a carne abatida para o abastecimento da cidade.

 

Poderia a Prefeitura proporcionar a saudosistas como eu, nos 300 anos da cidade, a oportunidade de rever essa cena da travessia para Várzea Grande e a chegada da carne que abastecia a cidade por uma réplica dessas embarcações, terminando com um rasqueado espetacular na orla do porto. Que tal?

 

Tudo isso faz parte da poesia e do encantamento de uma cidadezinha de pouco mais de trinta mil habitantes na qual todos se conheciam, todos se estimavam e, o espirito de solidariedade era uma realidade.

 

Só quem viveu aqui sabe que Cuiabá te hipnotiza de amor.

 

EDUARDO PÓVOAS –PÓS GRADUADO PELA UFRJ.

Twitter

PUBLICIDADE



Edição 192 Agosto de 2019

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados