Cuiabá, 14 de Julho de 2024
Notícia Max
14 de Julho de 2024

INTERNACIONAL Terça-feira, 20 de Dezembro de 2016, 14:16 - A | A

Terça-feira, 20 de Dezembro de 2016, 14h:16 - A | A

ASSASSINATO

Rússia fará investigação própria sobre morte de embaixador na Turquia

UOL

 

Um grupo de 18 investigadores, agentes dos serviços secretos e diplomatas russos, partiu nesta terça-feira (20) rumo à Turquia para investigar o assassinato do embaixador russo em Ancara, ocorrido na segunda-feira (19). O anúncio foi feito pelo governo do presidente Vladimir Putin.

"O grupo operará na Turquia no âmbito da investigação sobre a morte do embaixador da Rússia, Andrei Karlov, em conformidade com o que foi acordado entre os presidentes russo [Putin] e turco [Recep Tayyip Erdogan] em uma conversa telefônica mantida na segunda-feira à noite", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Nesta terça-feira, seis pessoas já tinham sido detidas no âmbito das investigações locais, todas elas próximas do autor do ataque, o policial Mevlut Mert Altintas.

A agência de notícias estatal Anadolu disse que a mãe, o pai, a irmã e dois parentes dele foram detidos na província de Aydin, e colega de apartamento dele em Ancara também foi detido.

Altintas tinha 22 anos e não estava de serviço na hora dos disparos feitos contra o embaixador russo. Andrei Karlov foi morto no momento em que inaugurava uma exposição de fotos numa galeria de arte de Ancara.

O policial, que permaneceu atrás do embaixador na típica posição de proteção, sacou rapidamente sua arma e matou o diplomata com vários tiros nas costas. Após o assassinato, gritou "Deus é grande" e afirmou que sua ação era uma vingança pela cidade de Aleppo, reconquistada pelo exército sírio com o apoio da Rússia.

Aleppo se tornou o símbolo do sofrimento humano causado pela guerra, que não poupa mulheres e crianças.

Depois do ataque, de acordo com autoridades turcas, Altintas foi morto em um tiroteio com as forças especiais de intervenção da polícia turca.

Investiga-se se ele estaria vinculado ao pregador Fethullah Gulen, acusado de ter organizado o golpe de Estado frustrado de 15 de julho, hipótese levantada pelo prefeito de Ancara, Melih Gökçe.

Gulen, que vive exilado nos Estados Unidos e que nega as acusações de que esteve envolvido no golpe de julho, declarou que sentia uma "profunda tristeza" pelo assassinato do embaixador russo. (Com agências internacionais)

 

CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo para receber as últimas do Noticia Max.

0 Comentários