PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 08h:34
Tamanho do texto A - A+
AGRONEGÓCIO
PERÍODO DE SECA Twitter

Órgãos estaduais e federais dão início à etapa de resposta aos incêndios florestais

Por: Redação

 

O lançamento da etapa de resposta da temporada de incêndios florestais foi realizado na tarde de segunda-feira (15.07) na praça das Bandeiras, em Cuiabá. Nesta fase órgãos estaduais e federais se juntam para o monitoramento e combate às queimadas em áreas rurais, evitando que se transformem em incêndios de grandes proporções causando danos ao meio ambiente e a saúde humana e de animais.

 

Áreas prioritárias, como Unidades de Conservação, entre elas Pantanal e Chapada dos Guimarães, terão monitoramento constante.

 

A etapa de resposta se inicia durante o período proibitivo entre 15 de julho e 15 de setembro, que foi estabelecido por meio de decreto. O prazo pode ser prorrogado dependendo das condições climáticas. Durante estes meses fica proibido o uso de fogo em áreas rurais para limpeza e manejo até mesmo para os proprietários que tem certidão com autorização de queima controlada.

 

A proibição considera o aumento de focos de incêndio, devido ao período de estiagem, calor intenso e baixa umidade. As queimadas em perímetro urbano são proibidas durante o ano todo.

 

A secretária de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti, falou da importância da colaboração da sociedade durante este período.

 

“Nosso objetivo é o controle e combate aos incêndios florestais em uma resposta rápida e com o maior número de recursos humanos e tecnológicos à nossa disposição. É um período complicado para o Estado e a população pode colaborar denunciando. Os esforços estão concentrados em promover uma diminuição no impacto da qualidade de vida do cidadão”.

 

A penalidade para quem provocar queimadas está prevista em lei, de acordo com a gestora.

 

“Desde multa até prisão para quem for pego em flagrante cometendo o incêndio está previsto na lei de crimes ambientais. A penalidade administrativa vai ser aplicada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e pelos órgãos cooperados e parceiros que estão trabalhando conosco. A sanção é dependendo do tamanho e peso da infração”, explicou Mauren.  

 

Centro Integrado

 

As secretarias de Segurança Pública e de Meio Ambiente junto com órgãos federais, como Ibama e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), trabalham de forma cooperada em Mato Grosso para minimizar os riscos com um Centro Integrado e com o desenvolvimento de etapas de preparação, prevenção, resposta e responsabilização. Os Bombeiros terão salas de situação desconcentradas em Cuiabá, Barra do Garças, Tangará da Serra, Sinop e Cáceres, com apoio dos Comandos Regionais dos municípios.

 

“Uma equipe formada por todas as instituições envolvidas trabalham no Centro Integrado para fazer o monitoramento do Estado e articular as operações integradas. A atuação em conjunto faz com que esta operação funcione muito bem, uma vez que Mato Grosso possui grandes áreas agrícolas e o clima é mais propício a esse tipo de incidente. Temos alcançado resultados positivos ao longo dos anos na diminuição dos focos do calor e no impacto causado na natureza e na qualidade de vida do cidadão”, afirmou o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso, Coronel BM Alessandro Borges. 

 

Ele ainda explicou como são monitorados os focos de calor no Estado.

 

“O monitoramento destes focos acontece na Sema, que indica locais para realizar operações de campo com o objetivo de diminuir focos de incêndios criminosos e identificar locais mais propícios devido a umidade baixa e supressão de massa de vegetação. Analisamos também os municípios que mais queimaram nos últimos anos. O trabalho preventivo, de educação ambiental e conscientização realizado nas outras etapas também é muito importante”, destacou.

 

O Corpo de Bombeiros deixa uma alerta para a população. “É uma época de vegetação muito seca e incêndios ocorrem com mais facilidade. Precisamos da colaboração da sociedade para que não jogue pontas de cigarro ou promova limpeza de área rural, porque com a vegetação esturricada e com o vento não será possível controlar o fogo que se propaga muito rapidamente neste período. Sem a ajuda da sociedade, não temos como fazer este enfrentamento sozinhos”, pontuou o comandante.

 

Combate aos incêndios florestais

 

O secretário-executivo do Comitê Estadual de Gestão do Fogo, Coronel BM Paulo Barroso, destacou que a etapa de resposta acontece diretamente em 48 municípios do Estado. O combate em Mato Grosso é feito em parceria entre Ibama, ICMbio, Secretarias de Estado de Meio Ambiente e de Segurança Pública – por meio do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar Ambiental, Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema) e  Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). A Defesa Civil do Estado é solicitada quando o incêndio atinge grande proporção, que pode se transformar em desastre.

 

Para esta temporada está previsto o uso de 87 veículos, dois aviões e um helicóptero e 1.327 combatentes entre civis e militares, se revezando entre 350 e 400 homens por dia. O investimento conjunto de todas as agências previsto é de R$ 8,5 milhões.

 

Denúncias e atendimentos

 

O atendimento imediato e combate aos incêndios florestais deve ser acionado pelo número 193 do Corpo de Bombeiros. Já em caso de denúncias de queimadas nas áreas rurais, o cidadão deve entrar em contato pelo 0800 647 7363.

 

Queimadas urbanas devem ser denunciadas na prefeitura do município da ocorrência, nas Secretarias Municipais de Meio Ambiente ou Defesa Civil municipal.  

 

 

Twitter

PUBLICIDADE



Veja mais sobre este assunto:

Edição 192 Agosto de 2019

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados