PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Quarta-Feira, 11 de Dezembro de 2019, 10h:53
Tamanho do texto A - A+
BRASIL
COMISSÃO DE EDUCAÇÃO Twitter

Convocado pela Câmara, Weintraub reafirma que há produção de drogas em universidades federais

Por: G1

Reprodução/TV Câmara

 

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, reafirmou nesta quarta-feira (11) a existência de plantações de maconha e laboratórios de produção de drogas nas universidades federais. Sem apresentar provas, o ministro exibiu uma série de reportagens durante o tempo destinado para sua fala.

 

A declaração foi dada à Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, que convocou o ministro da educação para esclarecer uma entrevista do fim de novembro. O ministro da Educação mostrou reportagens sobre o consumo de maconha e drogas sintéticas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

As reportagens, como mostrou o G1 em novembro, não indicam participação ou anuência dos gestores das universidades. Nenhum processo foi aberto contra os reitores das instituições.

 

Ainda assim o ministro disse que há uma "epidemia de drogas", e sem citar fontes, disse que "as estatísticas" mostram que o consumo de drogas nas universidades é o dobro do uso geral no país. Com isso ele defendeu a interferência da Polícia Militar nos campi das universidades.

 

“As universidades estão sim doentes, estão pedindo o nosso socorro", disse o ministro. "Eu sou a favor da autonomia universitária para pesquisa, para ensino. Pode ensinar o que quiser, falar de Karl Marx, não tem problema. Agora, a PM [Polícia Militar] tem que entrar nos campi.”

 

Quarta vez

Esta foi a quarta convocação do ministro da Educação pelo Congresso desde a posse no cargo, em abril. Em maio, em meio aos bloqueios do orçamento das universidades federais, o ministro foi às comissões de Educação da Câmara e do Senado, e também falou ao plenário da Câmara.

 

A convocação mais recente foi aprovada na última quarta (4). A Comissão de Educação aprovou cinco requerimentos para que o ministro explicasse as declarações dadas ao “Jornal da Cidade Online”, em que o ministro ligou as universidades federais à produção de drogas.

 

A entrevista foi compartilhada nas redes sociais do ministro e gerou forte reação da comunidade acadêmica. Em nota, a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) disse que o ministro da Educação "parece nutrir ódio pelas universidades" e que "ultrapassa todas as fronteiras que devem limitar, sobretudo, os atos de um gestor público".

 

Casos concluídos

No fim de novembro, o G1 mostrou que os casos citados pelo ministro da Educação, após investigação policial, não geraram qualquer processo contra as universidades federais.

 

Em um dos episódios, pés de maconha foram apreendidos em uma área de cerrado próxima ao campus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília (UnB). Dois estudantes foram detidos, fizeram acordo e cumpriram penas alternativas. Nenhum professor ou diretor da UnB foi implicado na acusação.

 

No outro, 140 “buchas” de maconha e 1 kg de haxixe foram apreendidos na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). No mesmo dia da ação, a Polícia Civil negou que os traficantes fossem alunos ou funcionários da UFMG.

Twitter

PUBLICIDADE



Veja mais sobre este assunto:

Edição 211 Janeiro de 2020

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados