Cuiabá, 14 de Julho de 2024
Notícia Max
14 de Julho de 2024

BRASIL Quinta-feira, 11 de Julho de 2024, 08:28 - A | A

Quinta-feira, 11 de Julho de 2024, 08h:28 - A | A

pesquisa

Avaliação positiva do governo vai de 33% a 37%, diz instituto Ipec

Margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos. Pesquisa ouviu 2.000 pessoas com 16 anos ou mais em 129 municípios, entre os dias 4 e 8 de julho

G1

A avaliação positiva do governo Lula (PT) variou de 33%, em março deste ano, para 37%, segundo pesquisa Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria) divulgada nesta quinta-feira (11). Já quem classifica a gestão do petista como negativa oscilou dentro da margem de erro, de 32% para 31%.

A margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos. Foram ouvidas 2 mil pessoas com 16 anos ou mais em 129 municípios, entre os dias 4 e 8 de julho.

Veja os resultados da pesquisa:

Ótima/boa: 37%;
Ruim/péssima: 31%;
Regular: 31%;
Não sabe/não respondeu: 2%.

A avaliação positiva é a soma de quem considera a gestão federal como ótima ou boa. Já a avaliação negativa é a soma dos indicadores de ruim ou péssimo.

 

Segundo o instituto, o resultado aponta para uma leve melhora na avaliação do governo Lula 3. Na pesquisa anterior, em março deste ano, as avaliações positiva e negativa apresentavam empate técnico. Agora, a diferença entre elas é de 6 pontos.

O aumento mais significativo, conforme o Ipec, se dá entre as pessoas que vivem na região Nordeste, que passou de 43% para 53%, e entre quem possui renda familiar mensal de até 1 salário mínimo, de 39% para 48%.

O Ipec indica que a avaliação ótima ou boa de Lula é mais acentuada entre:

quem declara ter votado no presidente em 2022 (66%);
moradores da região Nordeste (53%);
eleitores com 60 anos ou mais (48%);
menos instruídos (48%);
quem tem renda familiar de até 1 salário mínimo (48%);
e os católicos (44%).

Por outro lado, a avaliação ruim ou péssima se dá, com mais expressividade:

quem declara ter votado em Jair Bolsonaro na eleição de 2022 (61%);
e os evangélicos (39%).

Maneira como Lula governa
A pesquisa Ipec também perguntou se os entrevistados aprovam ou desaprovam a maneira como Lula está governando o país, com 50% respondendo aprovar, e 44%, reprovar a gestão petista. Ambos indicadores oscilaram 1% em relação à pesquisa anterior, de março.

O Ipec mostra que o destaque entre os que aprovam o governo Lula 3 estão entre:

quem declara ter votado no presidente na eleição de 2022 (83%);
aqueles que vivem na região Nordeste (67%);
quem possui renda familiar mensal de até 1 salário mínimo (61%);
menos instruídos (59%);
e os católicos (57%).

Já a desaprovação é mais expressiva entre:

 os que afirmam ter votado em Jair Bolsonaro na eleição de 2022 (79%);
quem afirma ter votado branco/nulo na eleição de 2022 (56%);
aqueles com renda mensal familiar superior a 5 salários mínimos (55%);
evangélicos (55%);
e eleitores com ensino médio (50%).

Confiança no presidente
Outro indicador avaliado é o de confiança em Lula. O índice oscilou entre os que dizem confiar no presidente, de 45% para 46%, enquanto o percentual do que dizem não confiar não apresentou mudança e seguiu com 51%.

A confiança em Lula é mais forte entre:

eleitores que consideram ótima ou boa sua gestão (91%);
aqueles que declaram ter votado em Lula na eleição de 2022 (81%);
quem vive na região Nordeste (63%);
menos instruídos (58%);
aqueles com renda familiar de até 1 salário mínimo (58%);
eleitores com 60 anos ou mais (56%);
e os católicos (53%).

A parcela dos que não confiam é mais acentuada entre:

os que consideram ruim ou péssima a sua administração (98%);
quem afirma ter votado em Jair Bolsonaro na eleição de 2022 (86%);
aqueles que declaram ter votado em branco/nulo na eleição de 2022 (68%);
evangélicos (63%);
os que têm renda mensal familiar superior a 5 salários mínimos (61%);
quem vive na região Sul (60%);
aqueles com renda mensal familiar de mais de 2 a 5 salários mínimos (59%);
os mais instruídos (58%);
aqueles com ensino médio (58%);
e moradores da região Sudeste (57%).

CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo para receber as últimas do Noticia Max.

0 Comentários