Cuiabá, 14 de Julho de 2024
Notícia Max
14 de Julho de 2024

BRASIL Quarta-feira, 10 de Julho de 2024, 14:21 - A | A

Quarta-feira, 10 de Julho de 2024, 14h:21 - A | A

nova rodada

Pesquisa indica trégua entre Lula e classes médias

G1

A nova rodada da pesquisa Quaest indica que a melhora no ambiente da economia real, com desemprego no menor patamar em dez anos e carrinhos de compras mais cheios nos supermercados, colocou o governo Lula de volta ao jogo da popularidade.

melhora na avaliação do presidente foi puxada pelos mais pobres — entre os que ganham até 2 salários mínimos a desaprovação foi de 35% para 26% e a aprovação, de 62% para 69% —, mas a pesquisa também identifica uma espécie de trégua entre o petista e as classes médias, quem ganha de 2 a 5 salários mínimos.

 

O levantamento traz, pela primeira vez desde dezembro de 2023, uma reversão na curva de avaliação do trabalho que Lula vem fazendo, com uma leve vantagem, ainda que na margem de erro, para a aprovação: 50% a 47%.

A própria pesquisa oferece elementos que ajudam a explicar essa movimentação. Em todas as faixas de renda a expectativa com relação à evolução da economia melhorou — 52% dos brasileiros acreditam que o cenário vai melhorar nos próximos meses.

E, embora ainda tímido, há um lampejo de esperança de melhora do poder de compra: em todas as faixas o percentual dos que veem um poder de compra menor oscilou para baixo.

Mas, embora dê um respiro a Lula, apontando uma pausa no ciclo de perda de popularidade, a pesquisa também traz alertas importantes.

O público está com o presidente quando ele diz que a taxa de juros está em um patamar proibitivo no país87% concordam com essa avaliação.

O embate direto com o presidente do Banco Central, porém, não ressoa tão fortemente. Quase 70% nem sabem que Roberto Campos Neto foi indicado por Jair Bolsonaro, o que indica dificuldade em reconhecê-lo como o adversário político pintado por Lula.

Mais: o que a Quaest mostra com clareza é que o povo reconhece de longe o efeito nocivo desse embate que aparentemente mobiliza muito mais o mercado do que qualquer outro agente:75% dos brasileiros dizem que, sim, a alta do dólar vai impactar diretamente o preço dos alimentos e dos combustíveis.

Ou seja: Lula acerta ao criticar juro, mas abraça o risco de corroer o que reconquistou ao investir em um rally com o mercado.

CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo para receber as últimas do Noticia Max.

0 Comentários