Cuiabá, 23 de Julho de 2024
Notícia Max
23 de Julho de 2024

CIDADES Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016, 09:42 - A | A

Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016, 09h:42 - A | A

NESTA SEXTA-FEIRA (02)

Cuiabá terá campanha para combater Aedes

GD

Divulgação

Classificada como de Alto Risco em relação ao Índice de Infestação Predial (IPP), com índice de 6,5%, Cuiabá inicia nesta sexta-feira (2) a Campanha Nacional de Combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, vírus Zika e febre chikungunya.

 

Cuiabá e Várzea Grande lideram em números de casos na lista dos 45 municípios com maior índice de infestação do Estado. Em 2016, já foram registrados mais de 27 mil de casos de Dengue, 24.512 de Zika Vírus e 1.427 de Chikungunya em Mato Grosso.

 

Já, em relação em Cuiabá o último levantamento da Vigilância em Zoonozes, feito entre os dias 31 de outubro a 4 de novembro, constatou predominância de criadouros em caixa no baixo (60,6%) e lixo domiciliar (25,7%).

 

No lançamento da Campanha nesta sexta-feira (2) está prevista a entrega de um veículo a ser utilizado em ações de combate e vistoria em 2.430 imóveis. Na programação consta panfletagem com orientações sobre as formas de controle e prevenção para a população. A mobilização começa a partir das 13 horas, no bairro Três Barras, uma das regiões mais críticas da cidade.

 

Reunirá representantes dos governos, federal, estadual e municipal. Serão 200 militares do Exército Brasileiro, 60 integrantes da Defesa Civil (entre agentes e voluntários), e 80 Agentes de Combate a Endemias (Aces) da Prefeitura de Cuiabá e 10 voluntários do Instituto Brasileiro de Defesa Ambiental, Ecológica e Família (Ibemo).

 

As ações de rotinas serão mantidas pelos agentes que atuam em vistorias, tratamento e eliminação de possíveis criadouros nos imóveis durante todo ano. Em 2015 foram realizadas 1.549.230 visitas domiciliares e neste ano, até o mês de setembro, foram 1.127.530 visitas.

 

Além das vistorias de rotina nas residências, os Ace’s quinzenalmente visitam e monitoram pontos considerados estratégicos como cemitérios, borracharias e vizinhança.

 

Nos locais, onde existe notificação dos casos suspeitos de dengue, zika e febre do chikungunya são feitas pulverizações e tratamento de criadouros não removíveis com produto químico. 

CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo para receber as últimas do Noticia Max.

0 Comentários