Cuiabá, 24 de Junho de 2024
Notícia Max
24 de Junho de 2024

ESPORTE Sexta-feira, 07 de Maio de 2021, 14:36 - A | A

Sexta-feira, 07 de Maio de 2021, 14h:36 - A | A

FALTA DE PAGAMENTO

Justiça tira Botafogo do Ato Trabalhista; clube vai recorrer

Tribunal do Trabalho da 1ª Região condena clube por quatro parcelas não pagas, além de outras atrasadas durante 2020 e 2021. Discussão deve continuar no Tribunal Superior do Trabalho

Globo Esporte

O Botafogo está fora do Ato Trabalhista. A decisão judicial saiu nesta sexta-feira, com base nas parcelas que o clube atrasou em quatro meses de 2020, no início da pandemia. Com a exclusão, quase R$ 100 milhões em dívidas deixam de ser pagas e podem gerar novos processos.

A informação foi publicada primeiro pelo site "Esporte News Mundo". A decisão é do desembargador Jorge Fernando Gonçalves da Fonte, do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região. Ao ge, o Botafogo informou que vai recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho.

Para fundamentar a decisão, o desembargador usa as parcelas não pagas pelo clube e o atraso em outros meses no final de 2020 e no início de 2021. Segundo o tribunal, o Botafogo teria que propor novo acordo para organizar essas dívidas trabalhistas. O clube discorda e vai levar a discussão à instância superior.

O Botafogo quer evitar a renegociação do plano, que sairia mais caro e envolveria dedicação de muitos setores do clube, além do jurídico. O Ato atual iria até 2024, com parcelas mensais de cerca de R$ 1,8 milhão.

Relembre o caso
Justiça anula suspensão do Ato Trabalhista
TRT avalia exclusão do Botafogo do Ato
Tribunal muda Ato Trabalhista do Botafogo
Justiça volta atrás sobre mudança, mas mantém processo
Por conta do estado de calamidade resultado da pandemia da Covid-19, a Justiça permitiu que o Botafogo adiasse as parcelas de abril, maio, junho e julho de 2020. Em dezembro, essa autorização foi revogada e acarretou em uma corrida para permanecer no Ato.

No último dia 1º de março, a justiça do trabalho diminuiu de quatro para três anos o prazo restante para o clube quitar as dívidas do atual Ato. A justificativa foi a mudança na legislação que não permitiria os moldes atuais. Como o acordo foi assinado em 2014, com a lei antiga, o clube entendeu que teve um direito adquirido violado, o que o tribunal não reconheceu.

Essa mudança foi postergada, assim como a dívida de cerca de R$ 7 milhões, porque a própria presença do Botafogo no plano estava em xeque. A ameaça foi confirmada nesta sexta-feira, com a derrota judicial.

Pelo acordo feito com o poder público, o Botafogo deposita cerca de R$ 1,8 milhão mensalmente no Ato Trabalhista, valor que é repartido entre os credores que não receberam pelos contratos firmados com o clube no passado. A exclusão do programa leva ao risco de mais pedidos de penhora, hoje a principal razão da asfixia financeira em General Severiano.

 

 

CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo para receber as últimas do Noticia Max.

0 Comentários