Cuiabá, 25 de Junho de 2024
Notícia Max
25 de Junho de 2024

INTERNACIONAL Segunda-feira, 27 de Maio de 2024, 16:33 - A | A

Segunda-feira, 27 de Maio de 2024, 16h:33 - A | A

para fugir da guerra

Com mudança de idade para guerra, ucranianos estão morrendo na neve ao tentar ir para Romênia

Ao menos 23 desertores morreram de frio durante travessia nas montanhas ou afogados em rio que separa países; guardas encontram mais de 50 homens em fuga por dia

AFP

Na remota área montanhosa de Maramures, no norte da Romênia, perto da fronteira com a Ucrânia, cada vez mais jovens ucranianos arriscam suas vidas para escapar da guerra que devasta o país. Segundo o diretor dos serviços de emergência nesta região isolada, Dan Benga, "muitos dizem que preferem morrer [no local] do que nos confrontos”.

— São meninos que não sabem como segurar uma arma e têm medo de ir para o front — afirmou.

A 1.600 metros de altitude, ele e sua equipe recebem os corpos de dois homens encontrados pela polícia fronteiriça, que são levados em macas e em sacos pretos. Naquela mesma noite, o telefone de emergência recebeu uma mensagem de um ucraniano de 21 anos preso no maciço selvagem dos Cárpatos.

O jovem estava caminhando na neve há três dias. Dificilmente se passa um dia sem uma descoberta de morte ou um pedido de ajuda.

— É uma tragédia. Eles não estão equipados adequadamente, não têm roupas de sobra nem mantimentos — conta um paramédico de 55 anos, temeroso de que o degelo revele mais corpos.

Confrontada com a escassez de armas e de homens em um momento em que a Rússia multiplica os ataques, a Ucrânia adotou recentemente medidas para facilitar o recrutamento e punir aqueles que resistem.

O país também reduziu a idade mínima de recrutamento de 27 para 25 anos, o que levou milhares de ucranianos a fugirem para países vizinhos. Apenas na Romênia, o número de chegadas irregulares dobrou nos quatro primeiros meses de 2024, em comparação ao mesmo período em 2023: foram contabilizados cerca de 2.500 ucranianos, de um total de 12 mil desde o início da guerra.

Oficialmente, os homens entre os 18 e os 60 anos não têm permissão para sair da Ucrânia, sob a lei marcial que prevê penas de até 12 anos de prisão.

Pelo menos 23 destes desertores morreram de frio durante sua travessia nas montanhas ou por afogamento no rio Tisza, que separa os dois países. Diariamente, guardas da fronteira encontram entre 50 e 60 homens em fuga.

Uma vez em solo romeno, eles estão seguros. Apesar da legislação estabelecida por Kiev, não são questionados na fronteira e recebem um título de proteção temporária como outros refugiados ucranianos acolhidos na União Europeia, que lhes dá o direito de permanecer no país e trabalhar.

Outros, munidos de documentação, vão para países terceiros, segundo um ucraniano refugiado. Já os que permanecem perto da fronteira regularmente recebem visitas de suas mulheres que ficaram na Ucrânia, que lhes entregam alimentos e mantimentos.

CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo para receber as últimas do Noticia Max.

0 Comentários