Cuiabá, 21 de Maio de 2024
Notícia Max
21 de Maio de 2024

POLÍCIA Sexta-feira, 10 de Junho de 2016, 20:57 - A | A

Sexta-feira, 10 de Junho de 2016, 20h:57 - A | A

NOITE DE TERROR

Governo do Estado reforça policiamento em Cuiabá e Várzea Grande

Da Redação

 

O Governo de Mato Grosso informa que está investigando a origem dos ataques a dois ônibus do sistema de transporte coletivo ocorridos na noite desta sexta-feira (10.06), em Cuiabá. Informa ainda que o policiamento na capital e em Várzea Grande foi reforçado em função dos ataques e que este reforço do policiamento será estendido durante todo o fim de semana.

A polícia investiga se os ataques seriam uma retaliação às consequências da greve dos servidores do Sindicato dos Servidores Penitenciários de Mato Grosso (Sindspen-MT), que provocou a interrupção das visitas nos presídios e do banho de sol dos detentos. Desde o começo da semana, familiares dos detentos estão alertando para uma possível rebelião e chegaram a bloquear o tráfego em uma rodovia para reivindicar o retorno das atividades nos presídios.

Pelo menos seis ônibus teriam atacados no início da noite desta sexta-feira em Cuiabá. A ordem para os ataques teriam partido do presídio, em retaliação à greve dos agentes prisionais, que estaria impedindo as visitas.

Um agente também teria sido vítima de criminosos na Avenida dos Trabalhadores, tendo o carro metralhado e vindo a óbito.

A inteligência da Polícia confirmou conversas de presos com “aliados” do crime que estão liberados. Eles dariam ordens para ataques tanto em Cuiabá, como em Várzea Grande.

“É para destruir a cidade gurizada. Pro bagulho ficar louco”, diz um áudio que está sendo divulgado pelo aplicativo WhatsApp.

Outro áudio cita vários bairros de Cuiabá e Várzea Grande e ordena vários ataques na região, inclusive a ônibus. “É pra botar o bagulho no vermelho entendeu, tacar fogo nos ônibus. A voz veio da torre entendeu, nós estamos sendo oprimidos aqui entendeu. Aquele que não somar, é bom se jogar já”, afirma.

A MTU também suspendeu a circulação dos ônibus, alegando garantir a segurança dos seus trabalhadores.

A recomendação da Polícia Civil é que os cidadãos evitem sair às ruas para não serem pegos no fogo cruzado. Inicialmente, nenhum facção foi responsabilizada pelos ataques.

O delegado-geral da Polícia Civil, Adriano Peralta, explicou posteriormente, em um áudio no WhatsApp.

 

Confira 

 

CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo para receber as últimas do Noticia Max.

VÍDEO

0 Comentários