Cuiabá, 21 de Maio de 2024
Notícia Max
21 de Maio de 2024

POLÍCIA Sexta-feira, 29 de Julho de 2016, 09:36 - A | A

Sexta-feira, 29 de Julho de 2016, 09h:36 - A | A

ESTUPRO DE VUNERÁVEL

Polícia Civil prende mãe e padrasto por estupro de adolescente em Cuiabá

Da Redação

REPRODUÇÃO

 

 

Mãe e padrasto acusados de estupro de vulnerável de uma adolescente de 12 anos é preso pela Polícia Civil, em Rondonópolis (212 km ao Sul). O suspeito N.N.S., 36, é acusado de abusar da filha de sua companheira, K. S. J., desde que a menor tinha 9 anos de idade.

 

As investigações iniciaram há quatro dias, quando a avó paterna da adolescente procurou a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM) para denunciar os abusos contra a neta. A menor foi ouvida e contou que há quatro anos era estuprada pelo padrasto.

 

De acordo com a vítima, os abusos aconteciam quando a mãe e o padrasto saiam para trabalhar. Ao perceber que a mãe havia saído, o agressor retornava para casa, e aproveitava o tempo em que estavam sozinhos para abusar da menina. Porém com o tempo e a reiteração da conduta, a mãe e os irmãos da menor passaram a ter conhecimento dos abusos.

 

Segundo a delegada, Lígia Pinto Silveira de Avelar, a adolescente era obrigada a dormir em um quarto sem portas para facilitar a ação do suspeito. A vítima disse ainda que o padrasto era muito ciumento, e que afirmava que ‘ela era só dele’. A vítima passou pelos exames periciais que confirmaram os abusos e a conjunção carnal.

 

Em 2014, a garota chegou a contar sobre os abusos para uma amiga de escola, que falou para uma professora, que acionou o Conselho Tutelar. Na época, ainda não havia acontecido a conjunção carnal, e quando veio a Delegacia, a menor negou a ocorrência dos abusos, possivelmente pressionada pela mãe, informou a delegada.

 

Com base nas investigações, a delegada representou pelo mandado de prisão temporária do padrasto pelos abusos e da mãe pela omissão em denunciar a situação. O casal foi preso, na manhã desta quinta-feira (28), na residência onde moram, no bairro Pedra 90.

 

O casal será indiciado em inquérito policial pelo crime de estupro de vulnerável. A prisão tem o prazo de 30 dias e de acordo com as apurações, poderá ser convertida em prisão preventiva.(Com informações assessoria PJC)

CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo para receber as últimas do Noticia Max.

0 Comentários