Cuiabá, 23 de Maio de 2024
Notícia Max
23 de Maio de 2024

POLÍTICA & PODER Quarta-feira, 30 de Novembro de 2016, 15:38 - A | A

Quarta-feira, 30 de Novembro de 2016, 15h:38 - A | A

PUNIÇÃO E JUÍZES E PROMOTORES

Lei é atentado à democracia e à dignidade da Nação, afirma Paulo Prado

Da Redação

Divulgação

 

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio do procurador-geral de Justiça, Paulo Roberto Jorge do Prado, emitiu nesta quarta-feira (30) nota de repúdio ao Projeto de Lei 4850/2016, aprovado nesta madrugada pela Câmara Federal. 

“Na calada da noite, os parlamentares transformaram as 10 medidas contra a corrupção, uma lei que iniciou no Ministério Público Brasileiro, na Lei Malouf. Novamente, fizeram a opção pelos corruptos. Essa lei é um atentado à democracia, à dignidade da nação”, desabafou o procurador-geral de Justiça, que encontra-se em Brasília participando de reunião promovida pelo Conselho Nacional de Procuradores-Gerais (CNPG). 

Prado assegurou que o Ministério Público Brasileiro e o Poder Judiciário não ficarão inertes e estão dispostos a parar o Brasil para reverter esta situação. “Essa lei aprovada é um atentado a população brasileira. Busca fragilizar o Ministério Público e o Poder Judiciário, impedindo que ações sejam propostas para colocar atrás das grades corruptos, àqueles que sugam o dinheiro saúde , da educação, das moradias, do transporte e dos projetos sociais. Em nome do povo de Mato Grosso e do Brasil, jamais aceitaremos uma barbaridade dessas”, garantiu. 

O procurador-geral de Justiça afirmou que será feito trabalho de convencimento junto aos senadores sobre a violência que tal projeto representa. “Iremos de gabinete em gabinete para expor a cada senador a gravidade da situação. Esperamos que o Senado Federal tenha lucidez e o compromisso nacional de reverter este atentado que fere de morte a Constituição Federal”, disse. 

No próximo domingo, dia 04, representantes do Ministério Público Brasileiro e do movimento “Vem pra Rua” vão participar de uma mobilização em nível nacional para alertar e informar a sociedade sobre os riscos que esse projeto representa à democracia. 

Além de retirar a possibilidade de aprimorar o combate à corrupção – como a tipificação do crime de enriquecimento ilícito, mudanças na prescrição de crimes e facilitação do confisco de bens oriundos de corrupção - , o projeto de lei aprovado pela Câmara Federal incluiu proposta que coloca em risco o funcionamento do Ministério Público e do Poder Judiciário, sujeitando promotores s e juízes a punição por crime de responsabilidade. 

 

CLIQUE AQUI e faça parte do nosso grupo para receber as últimas do Noticia Max.

0 Comentários